Nova NR-7 (PCMSO): Confira as principais mudanças!

A nova Norma Regulamentadora nº 7 (NR-7), cujo título é Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO), estabelece as diretrizes e os requisitos mínimos necessários para o desenvolvimento do PCMSO nas organizações.

No dia 13 de março de 2020, foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), a Portaria n.º 6.734, de 09 de março de 2020, que aprovou a nova redação da NR-7 (PCMSO).

Conforme a nova redação da NR-7, o PCMSO tem o objetivo proteger e preservar a saúde dos empregados em relação aos riscos ocupacionais identificados e classificados no Programa de Gerenciamento de Risco (PGR) da organização.

Caso o médico responsável pelo PCMSO constate incoerências no inventário de riscos da organização, o mesmo deverá reavaliá-las juntamente com os responsáveis pelo PGR.

Quando entra em vigor a nova NR-7?

Conforme a Portaria nº 8.873, de 23 de julho de 2021, a nova redação da NR-7 entrará em vigor no dia 3 de janeiro de 2022, bem como as novas NR-01, 09 e 18.

O que mudou na nova NR-7?

nova nr 7 o que mudou

Entre as principais mudanças da nova NR-7, destacam-se as seguintes:

Estrutura da NR-7:

A redação anterior da NR-7, mas ainda vigente na data de publicação desse texto, tem a seguinte estrutura:

  • Objeto;
  • Diretrizes;
  • Responsabilidades;
  • Desenvolvimento do PCMSO;
  • Primeiros Socorros;
  • Quadro I – Parâmetros para controle biológico da exposição ocupacional a alguns agentes químicos;
  • Anexo do Quadro I;
  • Quadro II – Parâmetros para monitorização da exposição ocupacional a alguns riscos à saúde;
  • Anexo I do Quadro II – Diretrizes e parâmetros mínimos para avaliação e acompanhamento da audição em trabalhadores expostos a níveis de pressão sonora elevados;
  • Anexo II do Quadro II – Diretrizes e condições mínimas para realização e interpretação de radiografias de tórax;
  • Quadro III – Programa de controle médico de saúde ocupacional relatório anual.

Enquanto, a nova NR-7 tem a seguinte estrutura:

  • Objetivo;
  • Campo de Aplicação;
  • Diretrizes;
  • Responsabilidades;
  • Planejamento;
  • Documentação;
  • Microempreendedor Individual – MEI, Microempresa – ME e Empresa de Pequeno Porte – EPP;
  • ANEXO I – Monitoração da exposição ocupacional a agentes químicos;
  • ANEXO II – Controle médico ocupacional da exposição a níveis de pressão sonora elevados;
  • ANEXO III – Controle radiológico e espirométrico da exposição a agentes químicos;
  • ANEXO IV – Controle médico ocupacional de exposição a condições hiperbáricas;
  • ANEXO V – Controle médico ocupacional da exposição a substâncias químicas cancerígenas e a radiações ionizantes;
  • Glossário.

Interação do PCMSO e PGR:

De acordo com a nova redação da NR-7, o PCMSO deve ser elaborado considerando os riscos ocupacionais identificados e classificados no PGR. Dessa forma, o PCMSO deve estar articulado com o PGR e vice-versa.

Enquanto, o texto anterior da NR-7 estabelece que o PCMSO deve estar articulado com o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA).

A partir do dia 3 de janeiro de 2022, o PPRA será descontinuado e substituído pelo PGR, decorrente do início de vigência da nova redação da NR-1 (Disposições Gerais e Gerenciamento de Riscos Ocupacionais) e da NR-9 (Avaliação e Controle das Exposições Ocupacionais a Agentes Físicos, Químicos e Biológicos).

Atualização do Quadro 1 e 2 do Anexo I:

A atualização do Quadro 1 (Indicadores Biológicos de Exposição Excessiva (IBE/EE) e do Quadro 2 (Indicadores Biológicos de Exposição com Significado Clínico (IBE/SC) do Anexo I da NR-7.

⇒ Leia também: Nova NR-5 e suas principais mudanças.

Revogação de Portarias:

A partir da vigência da Portaria nº 6.734/2020, que aprova a nova redação da NR-7, as seguintes Portarias serão revogadas:

I – Portaria MTPS n.º 3.720, de 31 de outubro de 1990;
II – Portaria SSST n.º 24, de 29 de dezembro de 1994;
III – Portaria SSST n.º 08, de 08 de maio de 1996;
IV – Portaria SSST n.º 19, de 09 de abril de 1998;
V – Portaria SIT n.º 223, de 06 de maio de 2011;
VI – Portaria SIT n.º 236, de 10 de junho de 2011;
VII – Portaria MTE n.º 1.892, de 09 de dezembro de 2013; e
VIII – Portaria MTb n.º 1.031, de 06 de dezembro de 2018.

Exigência dos Exames Toxicológicos:

A partir da vigência da nova NR-7, os exames complementares toxicológicos elencados na tabela a seguir, constantes no Anexo I da NR-7, serão exigidos conforme os prazos e as observações abaixo:

nova nr 7 quando entra em vigor

Interpretação da NR-7 e seus Anexos:

Estabelece que a NR-7 e seus Anexos sejam interpretados conforme a tipificação disposta na tabela abaixo:

nova nr 07

Relatório Analítico:

A nova redação da NR-7 substitui a expressão relatório anual por relatório analítico, que deve ser elaborado anualmente pelo médico responsável pelo PCMSO.

Conforme o subitem 7.6.2 da nova NR-7, este relatório deve conter, no mínimo:

a) o número de exames clínicos realizados;
b) o número e tipos de exames complementares realizados;
c) estatística de resultados anormais dos exames complementares, categorizados por tipo do exame e por unidade operacional, setor ou função;
d) incidência e prevalência de doenças relacionadas ao trabalho, categorizadas por unidade operacional, setor ou função;
e) informações sobre o número, tipo de eventos e doenças informadas nas CAT, emitidas pela organização, referentes a seus empregados;
f) análise comparativa em relação ao relatório anterior e discussão sobre as variações nos resultados.

Além disso, a nova NR-7 estabelece que as organizações de graus de risco 1 e 2 com até 25 (vinte e cinco) empregados e as organizações de graus de risco 3 e 4 com até 10 (dez) podem elaborar o relatório analítico somente com o número de exames clínicos realizados e o número de tipos de exames complementares realizados.

Por fim, o relatório analítico não será exigido para:

a) Microempreendedores Individuais – MEI;
b) ME e EPP dispensadas da elaboração do PCMSO.

⇒ Leia também: Nova NR-17 (Ergonomia): Veja as principais mudanças!

Microempreendedor Individual (MEI), Microempresa (ME) e Empresa de Pequeno Porte (EPP):

As MEI, ME e EPP são desobrigadas de elaborar o PCMSO, conforme o subitem 1.8.6 da NR-01, mas devem realizar e custear os exames médicos ocupacionais admissionais, demissionais e periódicos dos seus empregados a cada dois anos.

O subitem 1.8.6 da NR-1, dispõe que:

“1.8.6 O MEI, a ME e a EPP, graus de risco 1 e 2, que declararem as informações digitais na forma do subitem 1.6.1 e não identificarem exposições ocupacionais a agentes físicos, químicos, biológicos e riscos relacionados a fatores ergonômicos, ficam dispensados de elaboração do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO.”

Além disso, vale ressaltar, que os MEI e as ME e EPP dispensadas de elaborar o PCMSO, não terão a obrigatoriedade de elaborar o relatório analítico.

Atestado de Saúde Ocupacional (ASO):

Para cada exame clínico ocupacional realizado, o médico deverá emitir o ASO, que deve ser comprovadamente disponibilizado ao empregado, devendo ser fornecido em meio físico quando solicitado.

A nova redação da NR-7 fez alterações nos itens que devem constar do ASO, sendo eles:

a) razão social e CNPJ ou CAEPF da organização;
b) nome completo do empregado, o número de seu CPF e sua função;
c) a descrição dos perigos ou fatores de risco identificados e classificados no PGR que necessitem de controle médico previsto no PCMSO, ou a sua inexistência;
d) indicação e data de realização dos exames ocupacionais clínicos e complementares a que foi submetido o empregado;
e) definição de apto ou inapto para a função do empregado;
f) o nome e número de registro profissional do médico responsável pelo PCMSO, se houver;
g) data, número de registro profissional e assinatura do médico que realizou o exame clínico.

Médico responsável pelo PCMSO:

nova nr 7 2021

Na nova NR-7, a expressão de médico coordenador do PCMSO é substituída por médico responsável pelo PCMSO.

O empregador deve garantir a elaboração e a efetiva implantação do PCMSO, sem nenhum custo para o empregado, bem como indicar o médico do trabalho responsável pelo programa.

Inexistindo médico do trabalho na localidade, a organização pode contratar médico de outra especialidade como responsável pelo PCMSO.

Mudança de risco ocupacional:

O exame de mudança de função é substituído pelo exame de mudança de risco ocupacional.

Dessa forma, a organização está desobrigada de realizar os exames médicos de mudança de função, passando a realizar somente quando houver a mudança dos riscos ocupacionais em que o trabalhador esteja exposto. Ou seja, caso o empregado mude de função, a realização dos exames clínicos só será obrigatória caso ocorra alteração dos riscos ocupacionais existentes no local de trabalho ou na execução de suas atividades laborais.

⇒ Leia também: PGR e PCMSO – Saiba a Diferença e a Relação entre eles.

Prontuários Médicos:

A nova NR-7 estabelece que os dados referentes à avaliação da saúde do trabalhador devem ser registrados em prontuário médico individual sob a responsabilidade do médico responsável pelo PCMSO, ou do médico responsável pelo exame, quando a organização estiver dispensada do PCMSO.

Além disso, a nova redação da NR-7 traz que os prontuários médicos podem ser utilizados em meio eletrônico desde que sejam atendidas as exigências do Conselho Federal de Medicina (CFM).

Periodicidade dos exames periódicos:

De acordo com a redação anterior, os demais trabalhadores (alínea “b” do subitem 7.4.3.2) devem realizar o exame médico periódico anualmente (quando menores de 18 anos e maiores de 45 anos de idade) e a cada dois anos (quando estão entre 18 anos e 45 anos de idade). Conforme descrito abaixo:

7.4.3.2 no exame médico periódico, de acordo com os intervalos mínimos de tempo abaixo discriminados:

                                                                               […]

b) para os demais trabalhadores:

b.1) anual, quando menores de 18 (dezoito) anos e maiores de 45 (quarenta e cinco) anos de idade;
b.2) a cada dois anos, para os trabalhadores entre 18 (dezoito) anos e 45 (quarenta e cinco) anos de idade.

Com a nova redação da NR-7, os demais empregados (alínea “b” do subitem 7.5.8) devem realizar o exame médico periódico somente a cada dois anos.

Exame de retorno ao trabalho:

Na redação anterior da NR-7, o exame de retorno ao trabalho deveria acontecer no primeiro dia do retorno ao trabalho, quando ausente por período igual ou superior a 30 dias por motivo de doença ou acidente, de natureza ocupacional ou não. Agora, esse exame deve ser feito antes do retorno do trabalhador.

Além disso, nos exames de retorno a avaliação médica deve definir a necessidade de retorno gradativo ao trabalho.

Agora, que você já sabe as principais mudanças da nova NR-7, não deixe de conferir o texto da nova NR-7 na íntegra por meio do endereço eletrônico: www.gov.br/trabalho-e-previdencia/.

Compartilhar o texto:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três + 20 =

Utilizamos cookies para melhorar o desempenho e a utilização do site. Saiba mais