Insatisfação no Trabalho – O que fazer?

Sabemos que palavra insatisfação torna-se negativa devido ao prefixo in, portanto para entendê-la, devemos entender o significado de satisfação, que vem do latim satis, que significa bastante, suficiente e facere que significa fazer do modo esperado.

Dessa forma, insatisfatório é algo feito de um modo insuficientemente bom. A insatisfação no trabalho refere-se, portanto, à frustração do modo que o colaborador executa suas próprias atividades, à percepção de ser insuficientemente bom no que faz, bem como à percepção da insuficiência de reconhecimento e feedback.

Sinais de Insatisfação no Trabalho

Nem sempre é possível identificar facilmente a insatisfação no trabalho, por isso é preciso ficar atento a alguns sinais que podem indicar tal situação e assim, poder resolvê-la. Veja quais são:

  • Distração ou sensação de tédio: qualquer estímulo é capaz de distrair e ansiedade para encerrar a jornada do dia;
  • Mau humor: o humor é um dos primeiros aspectos afetados com a insatisfação;
  • Desânimo: uma pessoa insatisfeita não se sente empolgada, energizada ou com vontade de fazer seu trabalho;
  • Queda da produtividade: está totalmente ligada à satisfação, sem a qual o colaborador não consegue trabalhar de forma eficiente, afetando seu desempenho;
  • Reclamações frequentes: quando o colaborador reclama com muita frequência do seu trabalho e quando o mesmo recebe reclamações sobre o desempenho, ambos os aspectos podem ser sinais de insatisfação no trabalho;
  • Relações são afetadas: o colaborador passa a se relacionar sem paciência, podendo maltratar os colegas e ter comportamento irritado e defensivo.

Causas de Insatisfação no Trabalho

São vários os fatores que estão envolvidos na insatisfação no trabalho, são fatores intrínsecos ao colaborador e os fatores organizacionais, isto é, muitos aspectos que causam a insatisfação podem ser advindos da própria pessoa e outros aspectos podem estar relacionados com a empresa.

Fatores intrínsecos ao colaborador:

  1. Problemas familiares podem influenciar a forma como exerce o trabalho, pois os problemas fora do trabalho tornam a pessoa mais propensa a não se satisfazer com as demais áreas da vida;
  2. Problemas emocionais: lutos, perdas, doenças, dificuldade financeira podem alterar o estado emocional normal e isto influencia diretamente o modo como a pessoa trabalha;
  3. Transtornos psicológicos: pessoas com transtorno depressivo, ansiedade, estresse, transtorno obsessivo compulsivo, entre outros, se veem insatisfeitas devido às características dos transtornos.

Fatores organizacionais:

  1. Cultura organizacional: para que haja satisfação no trabalho, é preciso que os princípios pessoais entrem em acordo com os da empresa e não haja conflito;
  2. Condições do ambiente laboral: quando o ambiente é desfavorável tanto no aspecto físico como no clima da empresa, provavelmente muitos colaboradores se sentirão insatisfeitos no trabalho;
  3. Atendimento das necessidades: o colaborador tem necessidade de ter sua saúde e segurança preservada, remuneração e recompensas garantidas, horários de chegada, saída e intervalos respeitados e feedback do trabalho;
  4. Relacionamento interpessoal: quando a chefia se dirige de forma desagradável ao colaborador, isto desencadeia um processo de insatisfação, além de humilhação, da mesma forma os maus tratos entre colegas.

Consequências da Insatisfação no Trabalho

A insatisfação no trabalho desencadeia várias outras agravantes tanto na saúde do trabalhador como nos resultados da empresa. Veja a seguir quais são:

Consequências da insatisfação para o trabalhador:

  1. Exposição aos riscos: o trabalhador insatisfeito se distrai facilmente, o que pode desencadear acidentes de trabalho;
  2. Predisposição ao estresse: a insatisfação é o gatilho inicial para o desenvolvimento de um quadro de estresse, o qual pode desencadear diversos problemas de saúde;
  3. Transtornos psicológicos: uma pessoa insatisfeita diariamente e durante muitos meses, tem seu humor alterado, queda na autoestima, sono e apetite afetados, vida social afetada, podendo ocasionar diversos transtornos, como depressão.
  4. Doenças psicossomáticas: quando não se procura uma solução, o problema pode se instalar no organismo em forma de doenças cardiovasculares, dermatológicas, gastrointestinais, alergias, queda da imunidade, entre outras.

Consequências para a empresa:

  1. Queda na produtividade;
  2. Aumento das ocorrências de acidentes;
  3. Aumento do absenteísmo e rotatividade;
  4. Aumento nos gastos com desligamento e admissões;
  5. Aumento com afastamento por doenças, estresse e transtornos;
  6. Imagem da empresa afetada.
Como resolver a Insatisfação no Trabalho

Ao perceber que há muita insatisfação entre os funcionários, a empresa deve reavaliar suas condições, realizar a intervenção que se fizer necessária, isto é, se houver prejuízo físico: investir em ergonomia; se houver problemas de relacionamento: investir em palestras sobre trabalho em equipe, bem como melhorar a liderança; se houver conflitos, reavaliar a percepção de clima dos colaboradores e fazer as devidas alterações.

Além disso, a empresa pode exercer a função de orientadora para que o colaborador busque ajuda profissional e reveja suas motivações, emoções e demais questões que podem estar relacionadas à insatisfação no trabalho. Vale acrescentar que é importante detectar os problemas mais profundos, para que agravantes maiores sejam prevenidas ou amenizadas.

Veja também

Comentário