O que é PAE – Plano de Ação de Emergência?

O Plano de Ação de Emergência – PAE, como o nome diz, é um plano elaborado para ser executado caso ocorra uma emergência.

As medidas a serem tomadas devem estar especificadas em um documento e serem de conhecimento do maior número possível de pessoas. Para cada tipo de emergência existem passos diferentes a serem tomados para tentar controlar a situação, o PAE deve especificar as situação de emergência possíveis de acontecer e o passo a passo para o controle das mesmas.

A NBR 15219 (Plano de emergência contra incêndio) dispõem sobre a elaboração, implementação, manutenção e revisão do plano de Ação de Emergência e determina que esta norma seja aplicável a toda e qualquer planta, com exceção das edificações residenciais unifamiliares.

Em uma empresa, é necessário analisar quais os tipos de produtos químicos são utilizados, quais os locais são mais propícios de ocorrerem incêndios e outras atividades que podem causar danos pessoais, materiais e ambientais. Devem incluir no PAE as atividades envolvendo uso de Gás Liquefeito de Petróleo, Caldeiras e Vasos de Pressão, Fornos, Produtos químicos em geral entre outros.

Também devem constar no PAE as medidas a serem tomadas em caso de incêndios, desastres naturais e primeiros socorros.

Várias outras legislações existem para ajudar na execução do PAE nas empresas: a manutenção de uma Brigada de Incêndio, a Comissão Interna de Acidentes de Trabalho (CIPA), a estruturação do SESMT (Serviço Especializado em Engenharia Segurança e Medicina do Trabalho). No entanto, nem todas as empresas precisam da formação dessas equipes de ajuda para o atendimento de emergências, depende da quantidade de funcionários e o ramo de trabalho da mesma.

No entanto a PAE deve existir em todas as empresas, indiferente do tamanho das mesmas, assim é preciso ter pessoas capacitadas para atender os requisitos da PAE em toda e qualquer empresa.

Para que o PAE seja bem desenvolvido é importante verificar todas as fontes de risco existentes e as possíveis emergências que elas podem causar. Também é necessário que os responsáveis pela execução do plano saibam quais as responsabilidades de cada um e o passo a passo para o sucesso do plano.

Se o PAE for bem executado os impactos gerados pela emergência provavelmente serão os mínimos dimensionados no próprio plano, porém se não for possível realiza-lo, os impactos podem gerar muitas perdas e danos para a empresa.

Além das empresas, os órgãos públicos também devem prever um PAE para cada tipo de emergência que puder sofrer, uma prefeitura pode desenvolver planos para o caso de ocorrer incêndio, enchente, temporal, terremoto, entre outros desastres naturais.

Gostou do texto sobre o Plano de Ação de Emergência – PAE? Então, acompanhe o Blog Segurança do Trabalho pelas redes sociais: TwitterFacebook e Google plus.

Veja também

Gostou do texto? Então, não deixe de compartilhá-lo:

Avalie esta publicação:

(Ainda sem avaliações)
Loading...

Comentários

  1. Fernando

    Terremoto no Brasil ? Acho pouco provável , o problema da legislação é esse que pede para fazer coisa demais, como é que você vai elaborar o pae de um açougue de um comércio de uma empresa muito pequena ? já que no texto fala que todas as empresas têm que ter esse documento , é complicado viu . A legislação ao invés de facilitar e ser simples complica mais as coisas e dificulta o trabalho às vezes

    Responder
  2. Tiago Moraes

    Fernando, boa tarde!
    Esse documento se aplica sim para empresas pequenas, basta vc formalizar quais são as medidas em caso de incêndio, medidas de primeiros socorros que podem ser realizadas em caso de emergência, sinalizar as rotas de fuga do estabelecimento, e assim por diante é muto fácil.. E respondendo sua pergunta sobre terremotos no brasil existiu e existe sim, procure na internet direitinho que vc vai encontrar muitos documentários de relatos em vários estados brasileiros.

    Responder

Comentário

CAPTCHA