Os suplentes da CIPA devem participar das reuniões?


Saiba se os suplentes da CIPA devem participar das reuniões. Confira o texto!

A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) é composta por representantes dos empregados e do empregador e tem por objetivo a prevenção de acidentes e doenças ocupacionais.

A CIPA tem a obrigação de promover, mensalmente, reuniões ordinárias, de acordo com calendário preestabelecido, para discutir as questões concernentes à segurança do trabalho e a saúde do trabalhador.

O item 5.14 da Norma Regulamentadora nº 05 definiu quea documentação referente ao processo eleitoral da CIPA, incluindo as atas de eleição e de posse e o calendário anual das reuniões ordinárias, deve ficar no estabelecimento à disposição da fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego.

Estas reuniões devem ser realizadas durante o expediente normal da empresa e em local apropriado. É importante pontuar que a realização das reuniões deverá ser registrada em atas, assinadas pelos presentes e com cópias encaminhadas a todos os membros. Além disso, os comprovantes de entrega da cópia das atas a todos os membros da CIPA deverão ficar à disposição da fiscalização do Ministério do Trabalho.

Feitos os esclarecimentos acima, é preciso aborda sobre a obrigatoriedade da participação nas referidas reuniões. A NR-05 determina que:

5.30 O membro titular perderá o mandato, sendo substituído por suplente, quando faltar a mais de quatro reuniões ordinárias sem justificativa.

Tem-se que a NR-05 fixou a obrigatoriedade de participação nas reuniões, sob pena de perda do mandato, apenas para os membros titulares. Não há norma similar a esta que faça referência aos suplentes.

Vale dizer, contudo, que mesmo a NR-05 não fixando tal obrigatoriedade para o suplente, não há impedimento para que um acordo ou convenção coletiva o faça e caso isso ocorra, a presença do suplente nas reuniões será obrigatória.

Isso é possível em razão da NR-01, que normatiza as disposições gerais referentes à segurança do trabalho. A NR-01 diz que:

1.2 A observância das Normas Regulamentadoras – NR não desobriga as empresas do cumprimento de outras disposições que, com relação à matéria, sejam incluídas em códigos de obras ou regulamentos sanitários dos Estados ou Municípios, e outras, oriundas de convenções e acordos coletivos de trabalho.

Em outras palavras, se um acordo coletivo determinar que a presença do suplente nas reuniões ordinárias seja obrigatória, essa determinação deve ser cumprida.

Outro ponto que merece destaque é que, ainda que não haja obrigatoriedade dos suplentes da CIPA participarem das reuniões, também não há impedimento para tal. Como os membros eleitos, os suplentes podem contribuir para o trabalho da CIPA, participando das reuniões e em outras atividades que possibilitem a prevenção dos acidentes de trabalho e das doenças ocupacionais.

Dessa forma, tem-se que a participação dos suplentes da CIPA nas reuniões, em regra, não é obrigatória. Ou seja, os suplentes da CIPA podem participar das reuniões, mas não há essa obrigatoriedade prevista na norma.

Gostou do DDS Escritório? Então, acompanhe o Blog Segurança do Trabalho pelas redes sociais: Twitter, Facebook, InstagramGoogle plus.


Veja também

Comentários

  1. Claudionor

    Sempre incentivei a participação dos suplentes bem como interessados, visando difundir os beneficios da prevenção e preparação para novos membros.

    Responder
  2. André Mello

    Os membros suplentes eleitos requerem o direito a estabilidade, deste modo, é razoável que sejam membros atuantes na comissão. Não acham?

    Responder
  3. João diego

    Estou com uma dúvida em relação de saída de membros suplentes da cipa escolhidos pelos empregados, se há a necessidade de repor essa saída desses suplentes? Priorizando o mais votos.?

    Responder

Comentário