Pilhas e Baterias Usadas – Saiba fazer o Descarte Correto


Controle remoto, rádio, brinquedos, pequenos aparelhos eletrônicos, mouse, celular, há anos estamos rodeados de equipamentos que para o seu funcionamento necessitam de pilhas e baterias. Na tecnologia, houve-se um grande avanço no que tange inovações, mas as pilhas e baterias ainda continuam sendo dispositivos indispensáveis.

Com um grande poder de energia, as pilhas e baterias possuem vários tamanhos para se adaptar ao equipamento ou aparelho compatível, conforme a sua necessidade. É muito prático, de fácil utilização e possibilita o uso em diversos ambientes, fazendo com que o indivíduo possa utilizar em locais com ausência de energia elétrica, por exemplo.

Porém, a grande preocupação é em relação ao seu descarte correto, pois atinge direto e significamente o meio ambiente, caso não seja segregado e destinado de forma correta.

Outro grande fator de implicância ambiental, são as pilhas “piratas”, ou seja, aquelas que possuem um custo muito abaixo em relação a convencional. Sua fabricação é fora dos parâmetros legais, possuindo em sua composição, grande parte de elementos químicos, altamente tóxicos, prejudiciais ao homem e a natureza.

Sua comercialização no Brasil, se dá por meio de clandestinidade e o baixo custo é altamente atrativo às pessoas que não possuem conhecimento dos riscos ou não se importam com as consequências oriundas de um produto altamente tóxico.

No Brasil, a fabricação de pilhas e baterias seguem rigorosos critérios determinados em leis e normas, que estabelecem que sua fabricação seja de forma segura, o seu uso e principalmente o seu descarte, não cause grandes prejuízos à natureza e ao homem.

Da mesma forma, é importante se atentar ao descarte correto, pois o lixo eletrônico tem crescido a cada dia e tem sido uma grande preocupação às autoridades.

⇒ Leia também: Lei de Resíduos Sólidos.

A Resolução CONAMA (Conselho Nacional de Meio Ambiente) nº 257/99 considera os impactos significativos referente ao descarte incorreto de pilhas e baterias, que é considerado como um resíduo perigoso, por ser de origem química, razão da qual seu uso, armazenamento e descarte precisa atender critérios estabelecidos.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Lei nº 12.305/10 também ressalta a importância do descarte correto e intensifica os requisitos, instituindo que terá que ser implantada a logística reversa para resíduos perigosos, tais como pilhas e baterias.

No caso das pilhas e baterias, funciona da seguinte maneira:

  • A fabricante vende para as distribuidoras;
  • As distribuidoras vendem para o comércio;
  • O consumidor final compra no comércio;
  • O consumidor, após o uso, deve devolver a qualquer estabelecimento que possua coleta de resíduos perigosos (pilhas e baterias);
  • Por sua vez, todo o estabelecimento que comercializa, tem por obrigação legal, possuir um coletor para o cliente depositar suas pilhas e baterias e conseguinte, o comerciante destina ao fabricante;
  • Por fim, o fabricante destina ou recicla esse resíduo utilizado.

Dessa forma, cumpre os requisitos legais e preserva o meio ambiente de uma grande degradação que atinge não só o homem, mas também a fauna e a flora.

Portanto, consumidores exija de qualquer estabelecimento comercial (mercado, padaria, farmácia, banca de jornal, loja de celular) que comercialize pilhas e baterias que tenham o coletor para realizar o descarte desses resíduos de forma correta.

Outro fator importante, nunca compre pilhas e baterias de procedência duvidosa, não se iluda com o preço atrativo, proteja sua família de uma contaminação indesejada e o meio ambiente.

Prefira pilhas alcalinas que duram mais ou se o uso for prolongado, dê preferência as pilhas recarregáveis e faça um descarte correto. O meio ambiente agradece.


Veja também

Comentário