Marcar cartão de ponto para outro – Saiba as consequências


O que pode acontecer com quem marca cartão de ponto para outro funcionário?

Uma situação corriqueira em empresas que se utilizam de cartões de ponto para controlar a frequência de seus funcionários é o empregado que decide faltar, chegar atrasado ou sair mais cedo e pede para um colega bater seu cartão, com a promessa de retribuir o favor posteriormente.

Tal prática pode levar à demissão por justa causa e até mesmo acarretar um processo criminal. Saiba por quê.

Marcar cartão de ponto para outro funcionário causa demissão por justa causa?

O artigo 482 da CLT lista os motivos que autorizam o empregador a demitir um funcionário por justa causa. O primeiro da lista é a prática de ato de improbidade. A improbidade é a falta de honestidade, desrespeito a regras morais ou jurídicas de uma instituição, e nela se enquadram abuso de confiança, má-fé, fraudes e comportamento antiético do empregado.

Como exemplo de ato de improbidade, pode-se citar a prática de marcar cartão de ponto de funcionário ausente, que prejudica não apenas o empregador, mas também os empregados que comparecem diariamente ao trabalho sem utilizar-se de artifícios fraudulentos para não sofrer descontos no salário ou punições administrativas.

Praticar ato de improbidade é uma falta grave e causa quebra de confiança entre empregador e empregado, portanto agir dessa maneira uma única vez poderá ocasionar a imediata demissão por justa causa.

Marcar cartão de ponto de outro funcionário – Consequências criminais

Além de perder o emprego, o empregado que registra cartão de ponto de outro pode ser processado criminalmente por falsidade ideológica:

Falsidade ideológica

Art. 299 – Omitir, em documento público ou particular, declaração que dele devia constar, ou nele inserir ou fazer inserir declaração falsa ou diversa da que devia ser escrita, com o fim de prejudicar direito, criar obrigação ou alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante:

Pena – reclusão, de um a cinco anos, e multa, se o documento é público, e reclusão de um a três anos, e multa, se o documento é particular.

Como caracterizar a justa causa

Antes de tomar as providências cabíveis, o empregador deve conseguir provas. Em primeiro lugar, para evitar uma futura ação trabalhista, mas também para não ser processado por calúnia (falsa comunicação de crime) e até mesmo ser condenado a pagar uma indenização por danos morais ao funcionário demitido.

A maneira mais segura de conseguir uma prova irrefutável é instalando uma câmera próxima ao relógio de ponto, porém a prova testemunhal também pode ser utilizada.


Veja também

Comentários

  1. Arysandro Fernandes

    Bom dia….
    Muito bom este artigo, abriu um leque de conhecimentos em minha mente me triando algumas dúvidas… Obrigado.

    Responder
  2. Eliana Flores

    Bom dia, muito obrigada pelos esclarecimentos quanto ao bater o ponto para outrem. Foram por demais oportunos.

    Responder

Comentário