Direitos do Técnico de Segurança no Trabalho


Confira os direitos trabalhistas, previdenciários e de segurança e saúde do trabalho para o técnico de segurança no trabalho.

No período logo após a Revolução Industrial, a migração das populações do campo para as cidades determinou o surgimento de novas profissões. Com isso, aumentaram os riscos à saúde do trabalhador, tornando necessária a criação de normas visando proteger sua vida e integridade física dos trabalhadores.

Nesse contexto, surgiu a profissão de Técnico em Segurança no Trabalho, que atua orientando os empregadores para que essas normas sejam observadas e os riscos de acidente de trabalho sejam minimizados ou eliminados. Saiba quais são os direitos garantidos pela legislação brasileira a esse profissional.

⇒ Leia também: O que faz o Técnico em Segurança do Trabalho?

Direitos Trabalhistas do Técnico de Segurança no Trabalho

Segue abaixo alguns direitos trabalhistas do técnico de segurança no trabalho:

  • Registro em carteira de trabalho, que deve ser devolvida ao trabalhador em até 48 horas;
  • Jornada de trabalho de 8 horas diárias ou 44 horas semanais, prorrogáveis por até duas horas diárias com pagamento de 50% a mais do que a hora normal;
  • Intervalo para alimentação com duração entre uma e duas horas, para jornadas que excedam seis horas diárias;
  • Intervalo mínimo de 11 horas entre dois dias de trabalho;
  • Repouso semanal de pelo menos 24 horas, de preferência aos domingos;
  • Pagamento de adicional noturno para o trabalho executado entre as 22h e as 5h;
  • Remuneração mínima de acordo com o teto regional da categoria;
  • Adicional de insalubridade para quem trabalha em condições prejudiciais à saúde ou de periculosidade para quem trabalha exposto a agentes perigosos;
  • Diárias de viagem e ajuda de custo em caso de deslocamentos a serviço;
  • O 13º salário, pago em duas parcelas: a primeira entre fevereiro e novembro, e a segunda até 20 de dezembro de cada ano;
  • 30 dias de férias por ano, a serem gozadas após o período de 12 meses consecutivos de trabalho, desde que não tenha faltado mais que cinco dias ao serviço;
  • Pagamento das férias, acrescidas de 1/3, no momento em que o empregado sai de folga;
  • Remuneração em dobro das férias não gozadas dentro do prazo de 12 meses;
  • Salário família;
  • Licença maternidade de 120 dias e licença paternidade de 5 dias;
  • Estabilidade no emprego se sofrer acidente de trabalho, for eleito para a CIPA, mandato sindical ou engravidar;
  • Depósito de 8% de sua remuneração mensalmente no Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, considerando-se todos os adicionais, horas extras, 13º e gratificações;
  • PIS, para quem recebe até dois salários mínimos;
  • Aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, exceto em demissão por justa causa;
  • Não anotação na CTPS do motivo da demissão;
  • Multa de 40% sobre o saldo do FGTS e seguro desemprego em caso de demissão sem justa causa.

Direitos previdenciários do Técnico de Segurança no Trabalho

Segue abaixo alguns direitos previdenciários do técnico de segurança no trabalho:

  • Auxílio doença em caso de problema de saúde que exija afastamento do trabalho por mais de 30 dias;
  • Reabilitação e readaptação caso não seja mais possível retornar à função anterior;
  • Aposentadoria por invalidez caso não haja mais condições de retornar ao trabalho;
  • Auxílio acidente do retorno do afastamento até a data da aposentadoria, caso sofra acidente que reduza sua capacidade laborativa;
  • Salário-maternidade no período entre 28 dias antes e 92 dias após o parto;
  • Aposentadoria por tempo de contribuição quando completar 30 ou 35 anos de serviço, ou a nova regra 85/95: a soma da idade com o tempo de contribuição deve totalizar 85 pontos para mulheres e 95 para homens;
  • Pensão por morte para os dependentes em caso de falecimento do trabalhador.

Direitos em relação à Segurança e Saúde do Técnico de Segurança no Trabalho

Segue abaixo alguns direitos de segurança e saúde do trabalho do profissional técnico em segurança no trabalho:

  • Ambiente de trabalho saudável e seguro;
  • Informações em relação aos possíveis riscos do trabalho executado;
  • Orientações sobre a maneira mais eficiente e segura de executar as tarefas;
  • Avaliação médica e exames periódicos na admissão, demissão e durante a vigência do contrato de trabalho, pagos pelo empregador;
  • Treinamento prévio para o exercício de sua função;
  • Eliminação ou redução dos fatores prejudiciais à saúde no ambiente de trabalho;
  • Fornecimento e orientação de uso de equipamentos de proteção individual (EPIs) e coletiva (EPCs);
  • Cumprimento das normas de saúde e segurança pelo empregador;
  • Notificação de doenças ocupacionais e acidente de trabalho ao INSS.

É importante lembrar que os direitos podem ser alterados por acordo ou convenção coletiva, devendo prevalecer sempre a condição mais favorável ao empregado.


Veja também

Comentários

  1. André Pereira de Andrade

    em dezembro de 2013 fui dispensado sem justa causa, minha homologação foi feita normal, só com salario em desigual com o piso da categoria.

    Responder
  2. Bianca

    Não são direitos DO técnico de segurança do trabalho, mas de todo trabalhador.
    Quero saber sobre entrega de uniformes. O TST é obrigado a isso ou tem lei que ampare o contrário?

    Responder
  3. Fabiano

    Mais isso e direito de todo trabalhador ,quero saber por exemplo sobre o item que a Bianca expôs entre outros que nos fazem realizar sendo que não esta de nossa função tem algo que nos ampare?

    Responder

Comentário