Embargo e Interdição – Qual a Diferença?


Primeiramente, é importante ressaltar que abordaremos a diferença entre embargo e interdição no âmbito da segurança e saúde do trabalho. Portanto, conforme o item 3.1 da norma regulamentadora nº 03, o embargo e interdição são medidas de urgência, adotadas a partir da constatação de situação de trabalho que caracterize risco grave e iminente ao trabalhador. Considerando-se, como grave e iminente risco toda condição ou situação de trabalho que possa causar acidente ou doença relacionada ao trabalho com lesão grave à integridade física do trabalhador.

Assim como, no embargo ou na interdição a paralisação poderá ser total ou parcial, concentrando-se basicamente a diferença entre ambos, nos seguintes aspectos:

  • Embargo – Aplica-se exclusivamente para a paralisação de obras da construção civil. E conforme, o item 3.3.1 da norma regulamentadora nº 03, define-se como obra todo e qualquer serviço de engenharia de construção, montagem, instalação, manutenção ou reforma.
  • Interdição – Aplica-se na paralisação de máquinas, equipamentos e setores de serviço, mesmo que estes, desenvolvam atividades da construção civil.

Quem pode decretar o embargo e interdição?

Segundo, o artigo 161 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, o delegado regional do trabalho, à vista do laudo técnico do serviço competente que demonstre grave e iminente risco para o trabalhador, poderá interditar estabelecimento, setor de serviço, máquina ou equipamento, ou embargar obra, indicando na decisão, tomada com a brevidade que a ocorrência exigir, as providências que deverão ser adotadas para prevenção de infortúnios de trabalho.

É importante destacar que o laudo técnico de embargo e interdição mencionado anteriormente é realizado pelo Auditor Fiscal do Trabalho, especializado em engenharia de segurança do trabalho ou medicina do trabalho.

Quem pode requerer o embargo ou a interdição?

Conforme, o § 2º do artigo 161 da CLT, o embargo ou a interdição poderão ser requeridos pelo serviço competente da Delegacia Regional do Trabalho e ainda, por agente da inspeção do trabalho ou por entidade sindical.

No entanto, qualquer cidadão que presencie ou tenha conhecimento de eventual descumprimento patronal à legislação trabalhista, poderá denunciar juntamente à Superintendência Regional do Trabalho e Emprego, que certamente será ouvido e sua denúncia averiguada.

⇒ Leia também: Negligência, Imprudência e Imperícia – Qual a Diferença?

Embargo e Interdição – Observações:

De acordo, o § 4º do artigo 161 da CLT, responderá por desobediência, além das medidas penais cabíveis, quem, após determinada a interdição ou embargo, ordenar ou permitir o funcionamento do estabelecimento ou de um dos seus setores, a utilização de máquina ou equipamento, ou o prosseguimento de obra, se, em conseqüência, resultarem danos a terceiros. Assim como, o item 3.4, da norma regulamentadora nº 03, estabelece que durante a vigência do embargo ou a interdição, somente poderão ser desenvolvidas atividades necessárias à correção da situação de grave e iminente risco, desde que seja adotada medidas de proteção adequadas aos trabalhadores envolvidos.

É importante destacar que conforme o item 3.5, da norma regulamentadora nº 03, durante a paralisação decorrente da imposição de interdição ou embargo, os empregados devem receber os salários como se estivessem em efetivo exercício.


Veja também

Comentários

  1. Ricardo Reis

    Parabens, otimo blog estou cursando ST e esse blog tem sido muito útil para meus estudos de caso e etc .. esta de parabens!

    Responder
  2. Juarez Caribé d Cunha

    Muito bom este blog de ST. Informações, simples e objetivas. Está me ajudando muito em meu curso de Seg. do Trabalho..
    Obrigado.
    SDS
    Juarez

    Responder

Comentário